o quinto dia.

Galochas e guarda-chuva, pra sair do meu lugar, que também é seu. Pra enfrentar a chuva de poesias, entrelinhas, sirenes loucas e  olhares anônimos,  demarcando a avenida sem fim no caminho de volta pra casa.
Voltar mais cedo e nunca mais sair daquele colo quente, que abriga todos malditos, famintos, loucos, egoístas e sonhadores. Deixar de existir no quinto dia da semana, ao ler um trecho obsessivo de Clarice Lispector : “Mas ambos estavam comprometidos. Ele, com sua natureza aprisionada. Ela, com sua infância impossível.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s