o quinto dia.

Galochas e guarda-chuva, pra sair do meu lugar, que também é seu. Pra enfrentar a chuva de poesias, entrelinhas, sirenes loucas e  olhares anônimos,  demarcando a avenida sem fim no caminho de volta pra casa.
Voltar mais cedo e nunca mais sair daquele colo quente, que abriga todos malditos, famintos, loucos, egoístas e sonhadores. Deixar de existir no quinto dia da semana, ao ler um trecho obsessivo de Clarice Lispector : “Mas ambos estavam comprometidos. Ele, com sua natureza aprisionada. Ela, com sua infância impossível.”

Anúncios

218_08170012a

 

Hoje acordei com uma dor no peito e nada na cabeça. Provavelmente eu nunca entenda essa ligação que mais parece um karma. Já perdi a conta das vezes que me mandou embora, das vezes que fui e a única coisa que me lembro é de sempre estar aqui…

Acho que sempre estarei aqui pra você me mandar embora. Porque não é fácil escapar do destino. Enquanto seu coração pulsar, é bem aqui que eu vou ficar.

sim

A maioria das pessoas não sabe lidar com o “Não”. Pra isso existe  psicanálise, psicologia, palmada e  terapia. E o que fazer com alguém que não sabe ouvir, nem dizer “sim”?

Eu nunca soube…

O “Não” é mais fácil, porque não tem depois…  “não” é não, e pronto!  Não existe amanhã, depois de manhã, nem felizes para sempre.
“Não”  tem gosto de desafio, pra quem gosta de insistir,  teimar, ir contra a maré e quebrar paradigmas. Pra quem briga, insiste até o “não”  virar sim.

E o que eu faço com um “sim”? Adiciono água, açúcar e tomo quente.