Ciranda

Foto: Cícero Fraga

Gastei minhas havaianas,
brincando de Hawaii Ana.
Perdi a conta, da conta!
mas eu dou conta,
só preciso de calculadora.

A minha razão foi flagrada
Arruaçando, arruaceira…
A rua acesa, e veja,
Nem coro mais.

Ah! prefiro passar da conta.
no descontrolar, me viro.
É como contar histórias,

Atento meu imaginário,
Vocabulário de caráter libertino.
Quantos gêneros, imagino,
Hão de compor

medos, dedos, anéis, fiéis!
oxítona eu sei. cantar:
“o anel que tu me deste”

Ainda na roda,
E minha cabeça girando,
Cito qualquer frase
De qualquer poeta latino.

“era vidro e se quebrou”
Nessa ciranda ninguém canta?!

Opa! O verso é meu.
Esta ciranda é nossa.
Mas por que só eu danço
e desatino?

eu amo, ando. desatino. recanto. danço.
e faço drama.
que é pra tu dizer que ama.
e cantar pra encantar.
é destino!

Falo de quem amo
Ou de canhamo. Invento
Conversa em roda murcha
E desabrocha uma fálica
Flor.

bem me quer.. mal me quer…
“o amor que tu me tinhas”
Essa ciranda não anda?!

Vamo, gente!
O meu ritmo é outro.
Mas não deixe a noite
Acabar.

Ah! cansei de brincar.
mas se quiser me achar,
vai ter que contar até 10.

 

 

Ana Carvalho e Cícero Fraga

Anúncios

Um comentário sobre “Ciranda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s