Ele me olhou de cima embaixo, cabisbaixo, fechou a cara e jogou o cigarro no chão. pisou. sentou, num tamburete de madeira, abriu as pernas e apoiou os braços. Olhou-me, num misto de ciúmes, cerveja e desdém, limpou os olhos e disse: “tu é cruel, mulher”.

.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s